No palco, Rebelde prova que pode mais do que a TV mostra

É claro que a meta ao se lançar um projeto é que ele sempre dê certo. Mas é visível nos seis protagonistas da adaptação nacional de Rebelde, fruto da parceria entre Record e Televisa, que nenhum deles esperava tamanha repercussão. Principalmente agora, depois que o trabalho realmente saiu da TV e ganhou não só as prateleiras de CDs, mas também os palcos das principais casas de shows nacionais.
“Sempre torci para que a gente fizesse sucesso, mas não dá para mentir: eu não imaginava que conseguíssemos isso tão rápido e desse jeito. Ainda não olhei, mas pelo barulho, parece que a plateia está cheia”, surpreendeu-se Mel Fronckowiak, intérprete da espevitada Carla, antes de se apresentar com os colegas no HSBC Arena, no Rio de Janeiro, no segundo show carioca da turnê do grupo Rebeldes.
E, de fato, a casa estava mesmo lotada. O público, em sua grande maioria, composto de crianças, adolescentes e seus respectivos responsáveis legais. Quase todos com as letras das músicas na ponta da língua e diversos acessórios com o nome do grupo grafado. Ou, pelo menos, a sigla RBD. “Quem está com bastão com luz levanta ele! E quem não está, levanta o celular! É que é lindo ver essas luzes todas daqui de cima”, se emocionou Chay Suede, o Tomaz de Rebelde, depois de cantar a música Rebelde Para Sempre, da abertura do folhetim, e ouvir em seguida Lua Blanco, com sua Do Jeito que Eu Sou.
Os planos para o grupo não param por aí. Já se começa a trabalhar em cima do DVD dos Rebeldes, que trará não só o show, mas os bastidores das apresentações ao longo desse período. “A gente tem um público muito forte que acompanha a gente por outras mídias, como as redes sociais. É importante valorizar essa proximidade que se criou e acho que mostrar esse clima de trás do palco ajuda”, opinou Arthur Aguiar, que vive o inseguro Diego na trama. A apresentação leva aproximadamente uma hora e meia e conta com 19 músicas. Do total, treze fazem parte da trilha sonora da novela e do álbum do grupo. Já seis são números solos escolhidos por cada um dos integrantes, mostrando um pouco de sua personalidade e suas influências musicais. Sophia Abrahão, por exemplo, se solta ao som de Born This Way, de Lady Gaga, enquanto Chay dá novos arranjos ao rock Last Night, do The Strokes. “O nosso repertório tem uma influência pop muito forte e acho que essa é uma música que tem tudo a ver”, explicou Sophia, a última a ficar pronta para o espetáculo.
Para a nova temporada, pouco se fala. Já é certa a entrada e saída de alguns personagens. Mas nada que afete os seis nomes principais da trama. É claro que a tendência é que as cenas envolvendo música sejam cada vez mais frequentes no folhetim. E isso não quer dizer que a dramaturgia será colocada de lado. Palavra de Ivan Zettel, que dirige a novela de Margareth Boury. “Sabemos que uma parte complementa a outra, mas não pode comprometer. Rebelde envolve tanto o texto quanto a música e vamos continuar cuidando dos dois. Tem espaço para tudo”, garante. Hiran Silveira, diretor de teledramaturgia da Record, diz que o segundo ano será o último. Mas, a julgar pelo que se vê entre o grupo, a equipe e o público que vem lotando os shows, esse será um martelo difícil de ser batido.
Fonte : Terra

~ por rebeldeparasempree em fevereiro 5, 2012.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: